Existem fases na vida que nada do que possamos dizer, nenhuma atitude aparentemente coerente, trará resultados tão positivos quanto pode trazer o exercício do silêncio.

Nos últimos meses (talvez anos), cada dia que passa prometo a mim mesma alguma mudança comportamental relevante, que coloque freio na minha agressividade, impulsividade e vocação para a insanidade. E, como todos os movimentos sempre foram em vão, decidi declarar guerra contra mim mesma, contra o meu ego, contra a minha língua.

Na maior parte dos casos, se eu não falasse absolutamente nada, se eu tivesse o mínimo de quietude pra esperar o tempo passar sem abrir a minha boca, além de evitar cansaço, desgastes e algumas tragédias, acredito que tudo se resolvesse naturalmente.

Como não consigo ser uma pessoa normal, que pensa antes de falar, que se expressa pra construir e não para destruir, decidi que meu primeiro ataque será um voto de silêncio. E para evitar que eu sabote o começo dessa minha guerra contra mim mesma (antes que eu acorde de bom humor e levante uma bandeirinha de paz , me permitindo abrir o bocão antes do tempo), decidi escrever para me comprometer e colocar algumas regras no processo para não prejudicar o dia a dia da minha vida profissional e familiar.

Levando em consideração o atrelamento da minha vida pessoal e profissional com a internet e o fato de que posso ser tão nociva escrevendo quanto falando, considerei nas regras abaixo que “falar” será o mesmo que “escrever”. MSN, e-mail, Skype, DMs, replys, retweets e e-etc serão usados no modo motorista de ônibus, ligado no “fale somente o necessário”.

Seguem as regras do meu primeiro ataque, as regras do voto de silêncio moderno.

Permissão Verde.

Eu sei que vai parecer campanha telefônica do tipo “fale a vontade”, mas @#$%-$#.

A “permissão verde” será usada para falar livremente nos seguintes casos e com as seguintes pessoas:

- Assuntos profissionais.
- Reuniões de Trabalho.
- Trabalhos voluntários.
- Funcionários, colaboradores, parceiros, sócios, clientes e quaisquer pessoas envolvidas direta ou indiretamente com minha vida profissional.

Permissão Amarela.

Sei também que os engraçadinhos dos meus amigos e parentes vão comemorar a decisão, dizer que enfim vou exercitar os ouvidos, mas já vou logo avisando que abusos na “permissão amarela” podem implicar em mudanças de categoria imediata.

A “permissão amarela” será usada para falar (escrever) com total atenção nos seguintes casos e com as seguintes pessoas:

- Amigos.
- Familiares.
- Desconhecidos que necessitem tratar de assuntos profissionais ou que falem somente o necessário, contanto que o assunto não seja pessoal.

Voto de silêncio.

- Desconhecidos e tentativas de comunicação sem propósito.
- Ex-namorados.
- Ex-maridos.
- Familiares e amigos de qualquer categoria de ex.

Prazo: três meses.
Objetivo: obter algum tipo de controle emocional, transformar a minha língua (mão) em uma língua (mão) e não na espada que ela se tornou.

Pareço maluca, né? Pois é…  Maluquice maior foi ter passado a vida defendendo meus pontos de vista, falando, escrevendo, tentando existir através das palavras. Saber ouvir e aceitar as diferenças é saber se comunicar, é construção de um bom caminho para ser trilhado junto. Mas o resto… O resto é só ego falando com ego, é nada, é lugar nenhum, é relação nenhuma.



Postado por:Alê Félix
13/06/2011
4 Comentários
Compartilhe

4 Responses to “Regras do Voto de Silêncio Moderno”

  1. 1
    Kivia Says:

    Deu tudo certo com o seu voto?

  2. 2
    Melo Says:

    Parabéns ! Nunca desista. Nunca é tarde para tentar. Desejo sorte. Genial sua idéia.

  3. 3
    Carla Maria Says:

    Ale, gostei de sua iniciativa. Estou querendo fazer isso também!! Eu não me aguento mais!! São tantas coisas, que nem sei por onde começar. Me identifiquei com o que escreveu. Então tentarei fazer um voto de silêncio para meu próprio bem e as pessoas ao meu redor!

  4. 4
    Priscila Says:

    Oi?!

    Acho que te compreendo bem. Estou nos preparativos do meu voto. Você tem algum conselho ou relato para dividir?

    Te agradeço.

Leave a Reply